Dono do grupo Impala detido por fraude milionária

Jacques Rodrigues, dono do grupo Impala, foi detido pela Polícia Judiciária (PJ), esta quinta-feira de manhã, por fraude no valor de 100 milhões de euros.

O dono do grupo Impala foi detido com mais três pessoas, o filho de Jacques, o advogado e ainda o revisor oficial de contas, no âmbito da operação da PJ 'Última Edição'. Dez pessoas foram ainda constituídas arguidas. Em causa estão suspeitas da prática dos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, insolvência dolosa agravada, burla qualificada e falsificação ou contrafação de documentos. 
 

O esquema que passaria pela manipulação da contabilidade de várias empresas com prejuízo para os trabalhadores, apurou o CM. Jacques Rodrigues conseguia ficar com o património passando-os para o nome de outras pessoas e abrindo outras empresas.

Existiam já dezenas de queixas contra o dono do grupo Impala nos tribunais, mas Jacques Rodrigues conseguiu sempre escapar à justiça.

A operação decorreu em Lisboa, Sintra, Cascais, Oeiras, Amadora, Santo Tirso, Porto, Matosinhos e Funchal, com a autoridade a proceder à execução de trinta e dois mandados de busca, oito buscas domiciliárias e vinte e quatro buscas não domiciliárias, segundo um comunicado da PJ.

Foram também realizadas seis buscas em empresas com atividade no domínio da Comunicação Social, quatro em Sociedades/Gabinetes de Revisores Oficiais de Conta e uma em escritório de Advogado.

"Em causa está uma investigação criminal cujo objeto visa um plano criminoso traçado para, entre o mais, ocultar a dissipação de património, através da adulteração de elementos contabilísticos de diversas empresas, em claro prejuízo de diversos credores, v.g., os trabalhadores, fornecedores e o Estado, estando reconhecidos créditos num valor total de cerca de 100.000.000,00€ (cem milhões de euros)", diz o comunicado.

"Acresce a forte indiciação do desvio de valores com origem nas estruturas societárias, para fora do território nacional, num montante global que ascenderá a largas dezenas de milhares de euros", acrescenta.

Os detidos serão presentes no Tribunal de Instrução Criminal de Sintra, para realização do primeiro interrogatório judicial de arguidos detidos, para serem aplicadas as medidas de coação tidas por adequadas.

 

Segundo a Sábado, um grupo de 27 credores/trabalhadores da Descobrirpress, a dona do grupo de media Impala, informou que a empresa omitiu que em 2020 fez um despedimento coletivo e acrescentam que a empresa conseguia, através de transações milionárias entre as empresas do grupo Impala, transformar dívidas em capital.

Os Processos Especiais de Revitalização pedidos pela empresa, iniciados em 2014, atrasam há vários anos o pagamento de dívidas a antigos e atuais trabalhadores da empresa.

Dez pessoas foram ainda constituídas arguidas. Em causa está uma fraude no valor de 100 milhões de euros.

 

 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Voleibol: sete atletas de saída
14/06/2024
Museu do Carro Eléctrico regressa à atividade noturna
14/06/2024
Alunos de escola portuense vencem prémio Filme de Animação em Itália
14/06/2024
Homem detido por arremesso de pedra contra esquadra em Cedofeita
14/06/2024
Videovigilância ajuda Polícia a identificar suspeitos de violência na noite de segunda-feira
14/06/2024
“A gente não deixa e o presidente também não vai deixar, vai estar connosco”
14/06/2024
Basquetebol: captações para atletas nascidos entre 2009 e 2013
14/06/2024
STCP anuncia horários de "verão" a partir deste sábado
14/06/2024
Voleibol: sete atletas de saída
14/06/2024
Museu do Carro Eléctrico regressa à atividade noturna
14/06/2024