Festival dinamarquês de cinema CPH:DOX exibe filmes portugueses em Copenhaga

O filme “Diários de Otsoga”, de Maureen Fazendeiro e Miguel Gomes, e a coprodução “Mangrove School”, de Filipa César e Sónia Vaz Borges, integram o festival de cinema dinamarquês CPH:DOX, que começa no dia 23 em Copenhaga.

Quatro coproduções portuguesas integram festival dinamarquês de cinema CPH:DOX
Entre os filmes a exibir em Copenhaga conta-se a primeira realização conjunta de Maureen Fazendeiro e Miguel Gomes: Diários de Otsoga.
A programação completa anunciada faz parte o filme “Diários de Otsoga”, primeira obra coassinada por Maureen Fazendeiro e Miguel Gomes, rodada em 2020 em plena pandemia e ficcionada a partir dela.
No festival estará também “Mangrove School (Skola di tarefe)”, que volta a juntar a realizadora Filipa César e a investigadora Sónia Vaz Borges, seguindo o rasto de antigas escolas apoiadas pelo movimento de apoio à independência em Cabo Verde e na Guiné-Bissau.
No programa paralelo Fórum constará o projeto do filme “El auge del humano 3”, do realizador argentino Eduardo Williams, com coprodução portuguesa por Ico Costa.
Na secção “Lab” será apresentado o projeto internacional “A gruta sagrada de Kamukuwaká”, uma parceria entre Brasil, Espanha, Reino Unido e Portugal apresentada como um trabalho documental de realidade virtual imersiva.
O foco do projeto é a reconstituição visual de uma gruta onde foram descobertas – e mais tarde vandalizadas – inscrições rupestres do povo de Kamukuwaká, no território indígena do Xingu, no estado do Mato Grosso, no Brasil.
A equipa, que está há vários anos a trabalhar na preservação destes vestígios arqueológicos, em particular no registo visual, integra o realizador e fotógrafo brasileiro Piratá Waurá, o realizador espanhol Alejandro Romero, o produtor britânico Nathaniel Mann e a arqueóloga portuguesa Mafalda Ramos.
O festival dinamarquês CPH:DOX decorrerá em Copenhaga, de 23 de março a 03 de abril, com cerca de 180 filmes e uma programação complementar com debates, seminários, concertos e encontros com realizadores.

Maureen Fazendeiro
Nascida em 1989, é uma diretora e roteirista francesa radicada em Lisboa. Estudou literatura, arte e cinema na Universidade Paris VII. Seus curtas Motu Maeva (2014) e Sol Negro (2019) foram exibidos em festivais como FID Marseille, Toronto, Mar del Plata, DocLisboa e Turim. Trabalha com película e é membro do laboratório artesanal L’Abominable, em Paris. Diários de Otsoga é seu primeiro longa-metragem.

Miguel Gomes
Nasceu em Lisboa em 1972. Estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema na capital portuguesa e trabalhou como crítico de cinema. Em 2012, a 36a Mostra realizou uma retrospectiva de seus filmes, que incluiu, além de seus premiados curtas-metragens, os longas- metragens A Cara que Mereces (2004), Aquele Querido Mês de Agosto (2008) —vencedor do Prêmio da Crítica na 32a Mostra— e Tabu (2012), vencedor dos prêmios Alfred Bauer e da Crítica no Festival de Berlim. Realizou também o curta Redemption (2013) e a trilogia de longas As Mil e Uma Noites (2015), todos exibidos na Mostra.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Voleibol: sete atletas de saída
14/06/2024
Museu do Carro Eléctrico regressa à atividade noturna
14/06/2024
Alunos de escola portuense vencem prémio Filme de Animação em Itália
14/06/2024
Homem detido por arremesso de pedra contra esquadra em Cedofeita
14/06/2024
Videovigilância ajuda Polícia a identificar suspeitos de violência na noite de segunda-feira
14/06/2024
“A gente não deixa e o presidente também não vai deixar, vai estar connosco”
14/06/2024
Basquetebol: captações para atletas nascidos entre 2009 e 2013
14/06/2024
STCP anuncia horários de "verão" a partir deste sábado
14/06/2024
Voleibol: sete atletas de saída
14/06/2024
Museu do Carro Eléctrico regressa à atividade noturna
14/06/2024