Filme sobre a história de Gisberta vai chegar ao grande público com uma longa-metragem

Após uma peça de teatro, duas curtas-metragens, músicas e um livro, será finalmente levada ao grande ecrã, através de uma longa-metragem, a história presente no livro “Pão de Açúcar” de Afonso Reis Cabral.

A história de “Pão de Açúcar'', vencedor do Prémio Livro do Ano em 2018 pelo dezanove.pt, começa em Fevereiro de 2006, quando a descoberta de um corpo num prédio abandonado no Porto abalou o país. Inspirado no caso Gisberta, o romance de Afonso Reis Cabral é uma combinação magistral de factos e ficção, com personagens reais e imaginárias meticulosamente desenhadas, que confirmam o talento e a maturidade literária do escritor. 
Depois de ter chegado à sexta edição em Portugal, de ter sido publicado em dois países (Brasil e Alemanha) e de um outro estar a preparar-se para o fazer (Espanha), depois de ter vencido o Prémio José Saramago e de ter conquistado o elogio da crítica e o aplauso dos leitores, “Pão de Açúcar”, o segundo romance de Afonso Reis Cabral, acaba de ver os seus direitos adquiridos por uma produtora brasileira – Glaz Entretenimento – para levar a trágica história de Gisberta até ao grande écran.
A Glaz Entretenimento, uma produtora em franca ascensão no Brasil, responsável
Glaz Entretenimento, uma produtora em franca ascensão no Brasil, responsável por produções a que todos podemos assistir na Netflix e HBO Max, tem-se dedicado sobretudo a filmes para o grande público.
Afonso Reis Cabral (1990) é autor de quatro livros: “Condensação” (2005), “O Meu Irmão” (Prémio LeYa 2014), “Pão de Açúcar” (Prémio José Samarago 2019) e “Leva-me Contigo – Portugal a Pé Pela Estrada Nacional 2” (2019). As suas obras estão publicadas em várias línguas. Contribuidor regular para diversas publicações, é colunista do Jornal de Notícias e do jornal digital A Mensagem de Lisboa. É também presidente da Fundação Eça de Queiroz. 
A história de Gisberta levou a diversos desenvolvimentos após a sua morte, incluindo a discussão para o seu nome estar numa rua do Porto. Está na hora desta história chegar ao grande público, com a capacidade que o cinema tem de chegar a diversos públicos, e de homenagear Gisberta e todo este triste episódio.

Em 22 de fevereiro de 2006, a brasileira Gisberta Salce Junior, mulher trans, foi encontrada morta na cidade do Porto, após ser agredida e violada por um grupo de 14 adolescentes, entre 12 e 16 anos. Desde então, ela é, para a Marcha do Orgulho do Porto, símbolo de resistência. 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024
Há jazz sob as estrelas nos jardins do Palácio de Cristal
18/07/2024
Novos Tempos | A importância dos símbolos
18/07/2024
Exposição Visita-oficina orientada para os mais pequenos na Galeria Municipal
18/07/2024
Dois detidos pela prática ao crime de roubo contra o património
18/07/2024
Bilhetes para a Supertaça Cândido de Oliveira disponíveis esta quinta-feira
18/07/2024
Reabilitação de prédio em Campanhã para habitação acessível
17/07/2024
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024