Há cerca de 22 mil ofertas de emprego para refugiados ucranianos — com um salário médio de 884 euros brutos

No final do mês de março, as ofertas de emprego para refugiados ucranianos em Portugal eram quase 22 mil. Os valores variam conforme a profissão, mas o valor médio é de 884 euros brutos.

Escreve o Público que existem cerca de 22 mil ofertas de emprego para refugiados ucranianos, registadas na plataforma do Instituto do Emprego e Formação e Profissional (IEFP) — com um salário médio de 884 euros brutos, um valor abaixo do salário médio em Portugal e acima do salário mínimo nacional.
Existem vagas de emprego para as áreas do turismo, construção, indústria, transportes, ação social, tecnologias de informação ou comércio, estando em causa salários entre os 705 euros e os 4.000 euros brutos.
Contudo, 38% das vagas propõem uma remuneração equivalente ao salário mínimo (705 euros) e 25,7% pagam entre 706 e 797 euros. Feitas as contas, cerca de 64% dos empregos terão salários abaixo dos 800 euros. Apenas 4,7% pagam 2.000 euros ou mais por mês, para profissões como profissionais de marketing, programadores de software, chefes de cozinha ou carpinteiros.
Além das ofertas de trabalho a tempo inteiro, a base de dados do IEFP apresenta também 292 ofertas de trabalho a meio tempo. Aqui, o salário mais baixo é de pouco mais de 310 euros para serviços de limpeza, apoiar crianças ou trabalhar em restaurantes e no comércio.
A plataforma criada pelo Governo para reunir ofertas de trabalho de empresas para refugiados ucranianos em Portugal, foi lançada em 28 de fevereiro.
Existem empregos disponibilizados em várias regiões do país, mas as ofertas com salários mais altos estão, geralmente, em Lisboa ou no Porto.
Além disso, os beneficiários de proteção temporária ou refugiados em Portugal inscritos nos centros de emprego passam a poder beneficiar da medida contrato emprego-inserção+ (CEI+), segundo uma portaria publicada na segunda-feira em Diário da República.
No preâmbulo do diploma, o Governo explica que decidiu rever as regras da medida "perante a necessidade atual e premente de fazer face a situações de exclusão e risco social que possam vir a resultar da presente situação de crise humanitária na Europa".
"Revela-se essencial proceder a uma alteração urgente e pontual da portaria, de modo a permitir que passem a ser integradas na medida contrato emprego-inserção+ as pessoas que, não beneficiando das prestações de subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego, ou rendimento social de inserção, estejam inscritas como desempregadas no IEFP [Instituto do Emprego e Formação Profissional], I. P., e sejam beneficiárias de proteção temporária ou refugiados", afirma o Governo.
Estas alterações ocorrem "sem prejuízo de uma revisão mais ampla a empreender no âmbito da concretização do mercado social de emprego", indica ainda o executivo.

 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
CCDR-N e Irmandade com protocolo para reabilitação da Torre dos Clérigos
19/07/2024
Cristina Planas Leitão cessa funções no Teatro Municipal do Porto
19/07/2024
Dois homens detidos crime de contrafação na baixa do Porto
19/07/2024
Largo do Amor de Perdição recebe “FC Porto na Baixa”
19/07/2024
Muros da Rua de Miragaia vão ser reabilitados e reparados
19/07/2024
Porto Business School e Católica Porto Business School no MBA Ranking 2024
19/07/2024
Estádio do Dragão com novas regras de acesso
19/07/2024
Detido jovem de 16 anos por suspeita de pornografia de menores no Porto
19/07/2024
CCDR-N e Irmandade com protocolo para reabilitação da Torre dos Clérigos
19/07/2024
Cristina Planas Leitão cessa funções no Teatro Municipal do Porto
19/07/2024