Investigadores do i3S na revista científica Cell Death and Dicease

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) desvendaram o que falha na produção de linfócitos T durante o envelhecimento e desencadeia o desenvolvimento de doenças autoimunes, potenciando a descoberta de novas terapias.

Publicado na revista científica Cell Death and Dicease, o estudo demonstra “o que falha na produção de linfócitos T à medida que envelhecemos e que desencadeia o desenvolvimento de doenças autoimunes”, revela, em comunicado citado pela agência Lusa, o instituto da Universidade do Porto.

As doenças autoimunes são patologias debilitantes em que o sistema imunitário, nomeadamente, os linfócitos T afetam os próprios tecidos, como a doença de Crohn ou o Lúpus. Produzidos no timo, os linfócitos T são uma das principais células de defesa do organismo e, por isso, considerados uma das principais "frentes de combate" a infeções ou ao cancro.

Citado no comunicado, o investigador Nuno Alves esclarece que o estudo mostra que são outras células residentes no timo, designadas células epiteliais tímicas, responsáveis por educar os linfócitos T durante o seu desenvolvimento, de forma a manter apenas os que respondem ao que é estranho no organismo e eliminar os autorreativos.

A função destas células “diminui após o nascimento e vai diminuindo cada vez mais com o avançar da idade, o que significa que à medida que envelhecemos o sistema imunitário tem mais dificuldade em produzir linfócitos T capazes de reagir a novos agentes agressores, o que pode tornar mais suscetíveis a novas infeções”, explica a primeira autora do estudo, Camila Ribeiro.

Outra das consequências do envelhecimento do timo e das suas células prende-se com uma “maior dificuldade do sistema imunitário distinguir os elementos patogénicos ou estranhos daqueles que pertencem aos próprios tecidos e, consequentemente, a perda desta capacidade potencia o aparecimento de doenças autoimunes”.

Os resultados do estudo demonstram ainda que o gene Foxo3, conhecido como o gene da longevidade, é essencial para prevenir que estas células garantem uma resposta imunitária eficaz contra infeções ou o cancro, “ao mesmo tempo que mantém a tolerância imunológica aos próprios tecidos e previnem a autoimunidade”.

Descoberta a função deste gene, “o desafio passa por conseguir manipulá-la de forma farmacológica com o objetivo de reativar ou corrigir a função das células e assim contrariar o envelhecimento do timo, apoiar a eliminação dos linfócitos T que podem causar doenças autoimunes e fortalecer a resposta imunitária", acrescenta Nuno Alves.

 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024
Há jazz sob as estrelas nos jardins do Palácio de Cristal
18/07/2024
Novos Tempos | A importância dos símbolos
18/07/2024
Exposição Visita-oficina orientada para os mais pequenos na Galeria Municipal
18/07/2024
Dois detidos pela prática ao crime de roubo contra o património
18/07/2024
Bilhetes para a Supertaça Cândido de Oliveira disponíveis esta quinta-feira
18/07/2024
Reabilitação de prédio em Campanhã para habitação acessível
17/07/2024
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024