Em
O Primeiro de Janeiro

30 Jun 2023, 0:00

173

IPO do Porto já tratou 50 doentes com modificação de células

IPO do Porto foi pioneiro em Portugal, em 2019, ao introduzir no tratamento do cancro do sangue uma terapêutica assente na modificação genética de células. Os tratamentos com células CAR-T podem chegar aos 350 mil euros por doente.

O Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, que em 2019 foi pioneiro em Portugal ao introduzir no tratamento do cancro do sangue uma terapêutica assente na modificação genética de células, atingiu com esta técnica o doente 50.

O "marco", como referiu à agência Lusa o responsável do serviço de Hematologia e Transplantação de Medula Óssea, José Mário Mariz, foi atingido na semana passada e em causa está a utilização de uma terapêutica com células CAR-T, ou seja células de defesa do doente que são geneticamente modificadas em laboratório para se tornarem mais fortes.

Esta é uma estratégia que está aprovada como terceira linha de tratamento.

São tratados com esta terapêutica tumores hematológicos (cancro do sangue) como leucemias e linfomas.

Salvaguardando que "infelizmente nem todos os doentes respondem aos tratamentos", José Mário Mariz disse que os resultados conseguidos pelo IPO do Porto nesta meia centena de dentes "são equiparados ao que está descrito e ao que outros centros no estrangeiro conseguiram fazer".

Os tratamentos com células CAR-T podem chegar aos 350 mil euros por doente.

A propósito do financiamento desta terapêutica que se acredita que evolua no futuro para o tratamento de outras doenças, o presidente do IPO do Porto, Júlio Oliveira, referiu que com os atuais custos, "a massificação é insustentável", mas frisou também: "Não há doentes que não estejam a fazer o tratamento se tiverem indicação para tal".

A perspetiva dos dois responsáveis é de que tratamento com células CAR-T evolua porque poderá ser usado mais precocemente e em mais doenças, sendo convicção do diretor de hematologia que o maior impacto acontecerá nos casos de mieloma múltiplo, uma doença que outras terapêuticas não curam.

Indo ao encontro desta ideia, o IPO do Porto tem já em curso um ensaio clínico para mieloma múltiplo em primeira linha, no qual já participaram quatro doentes. A estimativa inicial apontava para cinco doentes em ensaio, mas duplicada já a capacidade do hospital neste projeto, Mário Mariz acredita que chegará a 10.

A ideia é testar se o tratamento com células CAR-T é melhor do que o tratamento convencional que existe hoje em dia.

 

Trata-se de um ensaio mundial que exigem que os doentes sejam seguidos durante algum tempo, razão pela qual não são esperados resultados em menos de três anos.

 

Lusa

 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
CCDR-N e Irmandade com protocolo para reabilitação da Torre dos Clérigos
19/07/2024
Cristina Planas Leitão cessa funções no Teatro Municipal do Porto
19/07/2024
Dois homens detidos crime de contrafação na baixa do Porto
19/07/2024
Largo do Amor de Perdição recebe “FC Porto na Baixa”
19/07/2024
Muros da Rua de Miragaia vão ser reabilitados e reparados
19/07/2024
Porto Business School e Católica Porto Business School no MBA Ranking 2024
19/07/2024
Estádio do Dragão com novas regras de acesso
19/07/2024
Detido jovem de 16 anos por suspeita de pornografia de menores no Porto
19/07/2024
CCDR-N e Irmandade com protocolo para reabilitação da Torre dos Clérigos
19/07/2024
Cristina Planas Leitão cessa funções no Teatro Municipal do Porto
19/07/2024