Número de incêndios reduzido em mais de metade em seis anos

Portugal reduziu em mais de metade os incêndios florestais em seis anos, conseguindo evitar cerca de 60.000, segundo a Agência para Gestão Integrada de Fogos Rurais, que esta quarta-feira (13 de março) lança uma nova campanha para diminuir ainda mais estes números, avança o Portal do Governo.

Depois da campanha "Portugal Chama", entre 2019 e 2023, a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF) lança agora uma nova iniciativa, que vai prolongar-se até 2026, e mantém a marca "Portugal Chama", mas pretende destacar que "a prevenção começa" em cada um dos portugueses.

"Entre 2019 e 2023 evitámos qualquer coisa como 60.000 incêndios, porque é a diferença somada de todos os incêndios que estimamos que aconteciam se não tivesse havido campanhas, dissuasão e vigilância", disse à agência Lusa o presidente da AGIF.

Segundo Tiago Oliveira, deflagravam em Portugal uma média de 20.000 fogos por ano antes de 2019 e no ano passado ocorreram 7.000, pelo que se conseguiu reduzir em mais de metade o número de incêndios devido à estratégia adotada.

O responsável afirmou que a primeira campanha "Portugal Chama" conseguiu "alterar muitos dos comportamentos dos portugueses".

"Só que ainda há 7000 incêndios por ano, dos quais a maioria já são intencionais", frisa Tiago Oliveira, sublinhando que tem de existir agora "um tratamento específico: ou trabalho policial ou também de trabalho de sensibilização de proximidade".

O presidente da AGIF sublinha que o incendiarismo é a principal causa de incêndios no verão atualmente. "E isso tem que ser objeto de tratamento da polícia, tem que ser objeto de políticas para a saúde mental, de políticas que reduzam o consumo do álcool, porque sabemos que muito dos incêndios começam por pessoas com problemas de adição e outras questões de isolamento e sociais", refere o responsável da AGIF. 

Tiago Oliveira explicou que a nova campanha vai distribuir materiais como canetas e calendários e divulgar conteúdos em outdoors, publicidade na rádio, jornais e televisões para chegar "a um público-alvo mais específico, desde a pessoa de idade, ao jovem e até ao que usa o fogo inadvertidamente".

A nova campanha pretende também sensibilizar para os incêndios de origem acidental, nomeadamente com máquinas agrícolas.

"Temos tido pouca eficácia em reduzir esses incêndios. Só conseguimos reduzir em 12% e, em particular na região do Alentejo e do Médio Tejo", precisou.

Em contrapartida, realça Tiago Oliveira, Portugal conseguiu "reduzir muito o número de incêndios que começavam por queimas e queimadas".

A apresentação da nova campanha "Portugal Chama 2024-2026" vai contar com várias agentes da proteção civil, como a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, GNR, Polícia Judiciária e Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024
Há jazz sob as estrelas nos jardins do Palácio de Cristal
18/07/2024
Novos Tempos | A importância dos símbolos
18/07/2024
Exposição Visita-oficina orientada para os mais pequenos na Galeria Municipal
18/07/2024
Dois detidos pela prática ao crime de roubo contra o património
18/07/2024
Bilhetes para a Supertaça Cândido de Oliveira disponíveis esta quinta-feira
18/07/2024
Reabilitação de prédio em Campanhã para habitação acessível
17/07/2024
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024