Em
O Primeiro de Janeiro

3 May 2024, 8:57

72

Rui Moreira marca presença na "Portugal Habita: CNN Portugal Summit"

A manutenção do Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) para todos, assim como a "forte" tributação de edifícios devolutos são medidas que os autarcas do Porto e Oeiras defendem para ajudar a responder à falta de acesso à habitação no país. Rui Moreira e Isaltino Morais marcaram presença na "Portugal Habita: CNN Portugal Summit", onde debateram "Políticas de habitação pública: o papel das autarquias". A iniciativa decorreu, nesta quinta-feira, no âmbito do Salão Imobiliário de Lisboa.

Mais do que um problema de oferta ou de procura, o presidente da Câmara do Porto considera que existe uma "desadequação" das políticas, uma vez que, afirma Rui Moreira, "as pessoas em situação de pobreza não poderão resolver o seu problema através do mercado".

Para esses casos, o autarca lembra como o Município do Porto já oferece 13% de habitação social, acima dos 2% apresentados pelo país, num investimento, nos últimos dez anos, superior a 100 milhões de euros.

No centro do problema estará, atualmente, a classe média, que "bate à porta das câmaras" para aceder a esse tipo de oferta, porque "hoje não consegue encontrar solução no mercado".

A este acresce a "desadequação entre o parque habitacional propriedade dos portugueses e o que são as suas necessidades atuais", advindas de questões sociais e demográficas como o aumento do número de famílias monoparentais, assim como a "enorme pressão" causada pelo crescendo de imigração.

Nas palavras de Rui Moreira, estas novas realidades "vão obrigar a perceber se vamos conseguir viver num país onde o planeamento do território é obsoleto". "Todo o nosso modelo económico tem sido construído no sentido de provocar uma concentração que não foi acautelada", considera o autarca, lembrando como "os municípios têm políticas divergentes".

"Estamos [no Porto] a promover mais habitação social e acessível, mas à nossa volta esse investimento nunca foi prioritário porque se considera que as pessoas vão querer viver no Porto", afirma, referindo a "pressão sobre as grandes cidades".

Por isso, Rui Moreira admite que "não sei se o problema é da oferta ou da procura. É da desadequação, são duas peças de Lego que deixaram de se encaixar".

Questionado sobre o papel das autarquias no pacote do anterior Governo para a habitação, o presidente da Câmara do Porto voltou a afirmar que "não foram ouvidas" e apelou a que se "dispa o pacote de tudo o que é ideológico", nomeadamente na determinação "dos senhorios como inimigo público número um".

O autarca considera que "tudo o que foi montado foi no sentido de dizer que o proprietário vai quer ter o ónus social de disponibilizar habitação", mas "se avançarmos por aí não temos mercado".

O problema do acesso à habitação, acredita, "resolve-se com mais habitação pública". Paradoxalmente, Rui Moreira sublinha como "as autarquias que não recebem recursos são as que mais casas constroem" e, por isso, insta a que "seja imposto às que recebem transferências" maior esforço.

Isto porque o presidente da Câmara do Porto diz não acreditar na capacidade do Estado, através do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, construir novas casas, se "nem consegue gerir o próprio parque habitacional".

Para ajudar as autarquias neste processo, Rui Moreira considera imprescindível o agravamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em casos de habitações desocupadas ou em ruínas. "Se o proprietário não tiver dinheiro para reabilitar a casa, pode alugar como está para ser reabilitada por outros ou vender", afirma o autarca.

Apelidando de "comportamento oportunista" o que acontece no Centro Histórico do Porto, onde alguns proprietários esperam "que o imóvel valorize pela reabilitação feita pelos vizinhos e pela Câmara no espaço público à volta”, Rui Moreira defende a "forte tributação" destes casos.

Como resposta à questão dos elevados preços dos terrenos, o presidente da Câmara do Porto referiu a recente revisão do Plano Diretor Municipal que permitiu "aumentar a densificação da cidade", através da construção em altura. Com essa medida, tem vindo a ser possível atrair a construção de novos imóveis na cidade, com o compromisso de disponibilização de habitação para arrendamento acessível.

Relativamente à isenção do IMT para os jovens, Rui Moreira considera "fácil dizer que se vai acabar com um imposto porque é municipal". "Para dispor do dinheiro das câmaras, [os partidos] têm imensa imaginação", acusa, sublinhando que "sem IMT, os municípios vão ter menos capacidade para construir habitação social".

Na CNN Portugal Summit, o presidente da Câmara do Porto reforçou: "precisamos de mais habitação pública e precisamos de não interferir no resto, deixar que o mercado funcione".

Esperando "que o parlamento não pense em mexer nas regras da habitação social", Rui Moreira considera que "não faltava mais nada que qualquer pessoa em Portugal pudesse candidatar-se a habitação social no Porto". "Gostamos muito que venho morar para o Porto, mas não para casas que o Município está a construir para os portuenses", concluiu.

 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024
Há jazz sob as estrelas nos jardins do Palácio de Cristal
18/07/2024
Novos Tempos | A importância dos símbolos
18/07/2024
Exposição Visita-oficina orientada para os mais pequenos na Galeria Municipal
18/07/2024
Dois detidos pela prática ao crime de roubo contra o património
18/07/2024
Bilhetes para a Supertaça Cândido de Oliveira disponíveis esta quinta-feira
18/07/2024
Reabilitação de prédio em Campanhã para habitação acessível
17/07/2024
“Há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa”, diz Moreira
18/07/2024
Investigadores da FMUP alertam para riscos de injeções para rejuvenescimento facial
18/07/2024