Sociedade da Transplantação alerta que falta de profissionais na saúde pode condicionar atividade

A presidente da Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT) defendeu que é preciso divulgar a importância do transplante de órgãos e apelar à doação em vida, alertando que a falta de recursos humanos na saúde pode condicionar esta atividade.

Na quarta-feira, comemora-se o Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação, data que será assinalada em conjunto pela SPT e pelo Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) com uma reunião sobre “Sustentabilidade da doação e da transplantação”, com representantes de várias organizações que atuam nesta área.
A propósito da questão da sustentabilidade, a presidente da SPT, Cristina Jorge, defende, em comunicado, que para manter a atividade da transplantação é preciso divulgar a importância da colheita e do transplante de órgãos, “apelar e enaltecer o altruísmo da dádiva em vida” e “promover e acarinhar os profissionais envolvidos nesta atividade”.
Por outro lado, a responsável entende que os dadores e as suas famílias devem ser considerados como essenciais para que a transplantação ocorra e possa manter-se e sublinha que sejam dadas as melhores condições de avaliação e seguimento aos candidatos a transplante e aos doentes transplantados.
Cristina Jorge entende, por isso, que haja a “possibilidade de flexibilização do pedido de exames a estes doentes, para além da unidade hospitalar onde são seguidos, a promoção do seu acompanhamento também por vídeo ou teleconsultas e de proximidade junto da sua área de residência”.
Propõe também que seja considerada a possibilidade da colheita em dadores em paragem cardiocirculatória controlada, “à semelhança do que já acontece noutros países”, dando como exemplo Espanha, sendo esta uma forma de aumentar a capacidade de colheita que se juntaria ao dador em morte cerebral e ao dador em paragem cardiocirculatória não controlada.
Cristina Jorge alerta igualmente que a escassez de recursos humanos na área da saúde pode condicionar os resultados da transplantação em Portugal, apesar de reconhecer que esta atividade está dependente de órgãos disponíveis e que a procura se mantém muito superior à oferta.

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
CCDR-N e Irmandade com protocolo para reabilitação da Torre dos Clérigos
19/07/2024
Cristina Planas Leitão cessa funções no Teatro Municipal do Porto
19/07/2024
Dois homens detidos crime de contrafação na baixa do Porto
19/07/2024
Largo do Amor de Perdição recebe “FC Porto na Baixa”
19/07/2024
Muros da Rua de Miragaia vão ser reabilitados e reparados
19/07/2024
Porto Business School e Católica Porto Business School no MBA Ranking 2024
19/07/2024
Estádio do Dragão com novas regras de acesso
19/07/2024
Detido jovem de 16 anos por suspeita de pornografia de menores no Porto
19/07/2024
CCDR-N e Irmandade com protocolo para reabilitação da Torre dos Clérigos
19/07/2024
Cristina Planas Leitão cessa funções no Teatro Municipal do Porto
19/07/2024